esquizofrenia: doença mental ou dom espiritual?

A esquizofrenia é um dom?

Só posso escrever a partir da perspetiva de uma irmã de alguém que sofre daquilo a que chamamos esquizofrenia paranoica, como filha de dois médicos de neurologia, psiquiatria e psicoterapia, como fisioterapeuta, professora de ioga e buscadora de sabedoria espiritual. É por isso que compreendo ambos os lados, a abordagem médica ocidental a esta doença mental e a compreensão xamã indígena de uma pessoa sensível, espiritualmente dotada e com uma alma perturbada.

Já passaram 16 anos desde que o meu irmão foi diagnosticado pela primeira vez com esquizofrenia paranoica. Tentou suicidar-se três vezes na mesma noite, mas não conseguiu devido ao seu estado mental, a sua mente estava tão longe da realidade que não conseguiu. No início, nós, enquanto família, não sabíamos como lidar com a situação. Não compreendíamos o que se estava a passar com o meu irmão.

A minha mãe, que é médica psiquiatra e psicoterapeuta, disse-lhe que, quando ele deixasse de tomar a medicação e tivesse outro episódio por causa disso, o expulsaria de casa e o rejeitaria como filho.

Ela estava a agir com medo porque sabia, por experiência profissional, que se as pessoas com esquizofrenia deixarem de tomar a medicação de uma só vez, têm tendência a entrar em remissão e, a cada episódio, a hipótese de voltarem a viver sem medicamentos é quase nula.

Esquizofrenia: dom espiritual? Um problema ou um despertar?

A missão

Atualmente, o meu irmão já teve 4 episódios no total e ainda vive connosco. Aprendemos muito com ele. Como família, tornámo-nos muito unidos e apoiamo-nos mutuamente no nosso percurso de vida com muito amor, respeito e compreensão. Infelizmente, este não é o caso de muitas famílias. É por isso que gostaria de trazer luz a este tema, para que os familiares e amigos o compreendam.

Infância e educação

Na primeira infância, o meu irmão sempre pareceu diferente das outras crianças. Desde muito novo, sabia tudo sobre dinossauros e cobras e, muitas vezes, andava a passear, passava horas na natureza e voltava com uma cobra na mão que tinha apanhado.

Um dia, numas férias em França, viu um homem a tentar matar uma cobra. Obviamente, o homem pensava que a cobra era uma ameaça. O meu irmão viu que a cobra era inofensiva e foi a correr chamar o meu pai para o ajudar a deter o homem.

Nunca esquecerei como o meu irmão sofreu com o animal, vendo-o morrer nas suas mãos. O meu irmão ficou traumatizado durante dias e não parava de falar sobre o que tinha acontecido.



Queria matar o homem por ter feito aquilo a um animal inocente. Não compreendia como é que se pode matar animais por medo e ignorância. Nunca pareceu interessar-se muito pelas pessoas, mas era fascinado pela natureza.

Detestava tanto a escola que, durante o inverno, ficava deitado na cama, descoberto e com a janela aberta, durante horas, para ficar doente e não ter de ir à escola. Terminou os exames finais com sucesso sem fazer muito por eles, preferindo jogar jogos de computador durante as noites.

schizophrenia mental illness spiritual gift is schizophrenia a gift

Gatilhos

Quando tinha 20 anos de idade, o nosso pai morreu num acidente de viação. Ele não chorou nem nada, parecia estar bem. Mais tarde disse-me que não sentiu muito quando o pai morreu. Dois anos depois, teve o seu primeiro episódio.

Isto parece acontecer muitas vezes: Normalmente, é um acontecimento traumatizante ou drogas que desencadeiam um episódio. Algo que faz com que as pessoas sensíveis se desliguem das suas emoções, porque é demasiado doloroso senti-las ou porque perdem a noção da realidade devido a drogas que alteram a mente. Voltarei a falar das drogas mais tarde, uma vez que, para já, falarei mais sobre o processo natural das psicoses.

Imagine que os seus sentimentos são muito mais profundos do que o habitual quando está triste ou feliz, o sentimento é dez vezes mais forte ou até mais.

Para além disso, capta energias de lugares e de outras pessoas sem saber. Podemos estar felizes quando entramos num lugar ou não, onde a energia é muito negativa.

Essas pessoas captam essas energias e não sabem como lidar com elas, nem sequer se apercebem que não são as suas próprias emoções que estão a captar e vão sentir-se muito sobrecarregadas.

Já testemunhei muitas vezes que, se algo de muito mau acontece a uma pessoa sensível, ela desliga-se das suas emoções.

O meu irmão só se apercebeu daquilo por que nós, enquanto família, passamos quando teve um episódio, quando teve uma namorada com a mesma doença e teve de a internar num hospital psiquiátrico. Foi um grande despertar para ele que o traumatizou, pelo que teve de voltar a ser internado, onde se encontra neste momento em que escrevo isto.

Proteção

Com o meu irmão e muitos outros que me foi permitido testemunhar (amigos, conhecidos e adolescentes no centro de detenção juvenil onde ensino yoga e meditação) tornou-se cada vez mais claro que, uma vez que se desligam das suas emoções devido a um trauma emocional, o seu campo energético deixa de estar protegido, pelo que ficam abertos a outras energias ou entidades que se agarram a eles e se expressam através deles.

É interessante notar que os antigos iogues ensinam que o nosso campo eletromagnético nos foi dado como um escudo para afastar os raios cósmicos e as más energias, dos lugares e das pessoas. Agora, o que é que acontece se esse escudo for desligado?

Quase parece que, quando começa um episódio, a consciência está tão afastada do corpo, que essa pessoa quase parece um recipiente vazio, um corpo que ainda funciona, mas não tem ninguém em casa para manter a porta fechada a convidados invisíveis e indesejados.

A mesma coisa parece acontecer com pessoas que estão a ter um episódio de drogas que alteram a mente. A sua mente ou espírito está tão distante que têm dificuldade em regressar ao que chamamos realidade e as entidades podem brincar com os seus corpos e sistemas nervosos.

Como lidar

O meu irmão é normalmente uma pessoa muito simpática e carinhosa, mas quando começa um episódio, fica cheio de ódio e muito desconfiado em relação a nós, membros da família.

Nós, como família, aprendemos a não levar a peito quando ele nos pragueja, usando uma voz áspera para nos amaldiçoar, embora às vezes ainda seja bastante assustador sabermos que ele está a ter um episódio e que não é ele a falar.

Fazemos o nosso melhor para nos mantermos calmos e ele acha que ajuda muito levá-lo para a natureza, para um passeio pela floresta (as árvores parecem libertar muita energia positiva ao caminhar entre elas) ou para a luz do sol.

Cuidar de animais e plantas também faz um bom trabalho, uma vez que estes são enraizantes e distraem a mente durante algum tempo. Um quarto calmo e vazio também parece ajudar a acalmar os pensamentos acelerados e, se as vozes na cabeça forem demasiado altas, ele põe música a tocar nos auscultadores para as anular.

is schizophrenia a gift

O meu irmão não quer tomar os medicamentos, nós dissemos-lhe para os ver como muletas. Uma pessoa com uma perna partida precisa de muletas para poder andar, e se a mente se perder, precisa das drogas como muleta para poder manter-se no domínio que designamos por “realidade”.

Ele só tomará doses elevadas quando tiver um episódio e, quando estiver novamente estável, a dose será reduzida para um consumo mínimo. Infelizmente, este processo demora sempre muito tempo, mas faz um bom trabalho.

Dons espirituais

O meu irmão tem fortes capacidades psíquicas, apesar de não querer saber muito sobre esse tipo de coisas. Eis um pequeno exemplo: um dia, durante um estado sensível, cheguei a casa e vi que todas as ervas daninhas do jardim pareciam ter sido arrancadas por alguém.

Num segundo olhar, vi que, na verdade, estavam a MENTIR e a secar ao sol muito rapidamente, e que nem uma única tinha sido arrancada, o que era o caso em todo o grande jardim.

Quando perguntei ao meu irmão, porque estava a pensar se ele lhes tinha posto alguma coisa, ele respondeu: “Tive pena das plantas para as arrancar, mesmo que estejam rotuladas como ervas daninhas, por isso pedi-lhes que saíssem de livre vontade”.

Durante um dos seus últimos episódios, o meu irmão estava a passar por aquilo a que se poderia chamar um “complexo de Deus”. Aconteciam-lhe todas aquelas coisas que, para ele, indicavam que era iluminado, sem se aperceber que eram tudo ilusões.

A esquizofrenia noutras culturas

Quando fui a Bali, fui convidado por alguns habitantes locais para participar num enorme ritual anual junto à praia, em honra do espírito do oceano. Um indivíduo, que me parecia completamente fora do caminho mental, desempenhou um papel importante no ritual. Para mim, era evidente que ele estava num estado esquizofrénico.

Quando perguntei aos habitantes locais sobre ele, disseram-me: “Não existe esquizofrenia na nossa cultura, ele é uma pessoa muito dotada espiritualmente, alguém que tem uma forte ligação com o além”. Isso impressionou-me.

Ouvi dizer noutras culturas indígenas que as pessoas que querem tornar-se curandeiros ou xamãs têm de ser espiritualmente dotadas.

Na mesma altura, encontrei o livro “A ponte entre dois mundos – uma visão xamã da esquizofrenia e da sensibilidade aguda”, de Odette Nightsky, uma senhora que cresceu na cultura ocidental e que curou a sua própria esquizofrenia através do xamanismo e que agora ajuda outras pessoas.

O caminho dos xamãs

Para se tornar um curandeiro ou xamã na tradição indígena, é necessário não só ser espiritualmente dotado, mas também ter ultrapassado o seu próprio ego e ser capaz de se curar a si próprio. Dizem que o mundo exterior reflecte apenas o mundo interior e só quando se consegue curar o mundo interior é que se pode curar o mundo exterior e ajudar outras pessoas.

No caso do meu irmão, ele interessava-se pelos ensinamentos espirituais e da Nova Era, mas perdeu o interesse durante um dos seus últimos episódios. Quando lhe perguntei porque é que já não estava interessado, disse: “Pergunto-me como é que tantas pessoas podem passar a vida inteira à procura de sabedoria espiritual, quando tudo o que realmente precisam de fazer é ser o ser humano que vieram aqui (na Terra) para ser e viver as suas vidas”.

Do ponto de vista atual, penso que o meu irmão é uma pessoa muito sensível e dotada que, por vezes, tem dificuldade em lidar com as suas emoções e, por isso, dá espaço a outros espíritos para trabalharem através dele inconscientemente.

Seja ele louco ou não, é meu irmão, sempre será, e eu amo-o muito, e isso é tudo o que conta para mim.

Se este artigo o ajudou a perceber um pouco mais sobre a esquizofrenia, por favor, transmita-o a amigos, familiares e conhecidos de pessoas que sofrem de esquizofrenia / sensibilidade aguda.

A esquizofrenia é uma dádiva? Diga o que pensa na caixa de comentários abaixo e, se gostou do artigo, por favor, leia-o.

Como curar-se quando mais ninguém consegue – Se você ou algum ente querido tem tido dificuldades físicas, mentais ou emocionais, pode recorrer a Amy B. Scher da YOGI TIMES UNIVERSITY que ensina como curar-se quando mais ninguém consegue.